O Pioneiro - Descidas no Mondego

Todos os dias entre Penacova e Coimbra

Durante o período de pandemia por COVID-19, a Empresa de Animação Turistica, O Pioneiro do Mondego, Lda compromete-se a minimizar os riscos de propagação da Covid-19, tomando diversas medidas de informação, higienização e distanciamento.

 

MEDIDAS GERAIS

  1. Toda a atividade da empresa ocorre ao ar livre (exceto o transporte, ver infra), em regra com um distanciamento muito superior a 2 m.

  2. Cada elemento tem ao seu dispor informação sobre todas as medidas recomendadas pela Direção Geral de Saúde.

  3. O Pioneiro do Mondego faculta material de proteção individual e vários produtos para higienização pessoal e do material utilizado, reforçando as suas rotinas de limpeza.

  4. Antes de entrar nas instalações físicas, nos transportes e depois de entregar o material, os colaboradores e clientes devem higienizar as mãos com o gel. Durante o transporte e distribuição de material o uso de máscaras será obrigatório.

PROTOCOLO INTERNO - Covid 19
O PIONEIRO DO MONDEGO (RNAAT 25/2002)

COLABORADORES

  1. Ao entrar nas instalações, é necessária a higienização das mãos com solução álcool gel.

  2. Durante o trabalho é obrigatório o uso da máscara durante os períodos onde uma distância mínima de 3 metros com clientes ou outros colaboradores não pode ser garantida: nomeadamente nos transportes, briefings e durante a entrega do material.

  3. Não existe um maximo de pessoas por grupo. No entanto, cada colaborador acompanhará um grupo máximo de 20 pessoas. Existirá uma separação espacial e temporal entre cada grupo de máximo 20 pessoas nas areas de passagem comum: nos briefings, entrega de material e na passagem dos açudes.

  4. Higienização das mãos: lavar as mãos frequentemente com água e sabão, durante pelo menos 20 segundos ou usar desinfetante para as mãos que tenha pelo menos 70% de álcool, cobrindo todas as superfícies das mãos e esfregando-as até ficarem secas.

  5. Etiqueta respiratória: tossir ou espirrar para o antebraço fletido ou usar lenço de papel, que depois deve ser imediatamente deitado ao lixo; Higienizar as mãos sempre após tossir ou espirrar e depois de se assoar.

  6. Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos.

  7. Conduta social: Evitar o contacto próximo, apertos de mão, beijos e partilha objetos e utensílios.

  8. Cumprir a auto monitorização diária: avaliação da febre (medir a temperatura corporal duas vezes por dia e registar o valor e a hora de medição), verificação de tosse ou dificuldade em respirar.

  9. Quaisquer sintomas associados ao vírus devem ser imediatamente comunicados á administração e aos colegas de trabalho, e tomadas as devidas medidas de segurança, limpeza e desinfeção.

  10. Ao sair das instalações, lavar muito bem as mãos ou higienizar as mãos com solução álcool gel.

TRANSPORTES

  1. Os transportes necessários para a atividade serão feitos em automóveis e autocarros da empresa ou contratados á empresas de Transportes Públicos Coletivos e Individuais regulamentadas pelo IMT.

  2. Serão seguidas as recomendações divulgadas na orientação da DGS nº 027/2020 de 20/05/2020 relativamente aos transportes; que incluem o uso de máscaras obrigatórias, a higienização de superfícies como puxadores, portas e restantes superfícies internas de contacto direto com o passageiro após cada utilização.

  3. A lotação máxima do transporte será guiada pela legislação em vigor. Neste momento encontra-se em vigor a portaria n.º 107-A/2020, de 4 de maio 202,0 que determina uma lotação limitada a 2/3 do máximo da sua capacidade.

 

HIGIENIZAÇÃO DOS MATERIAIS

  1. Cada colaborador é responsável pela limpeza e arrumação do seu equipamento individual de trabalho. Estão disponíveis diversos sprays de limpeza, panos e toalhetes descartáveis. Colaboradores e clientes devem ser responsáveis pela lavagem a temperaturas elevadas (cerca de 60ºC) do vestuário usado nas atividades e outros acessórios disponibilizados de acordo com o protocolo.

  2. A higienização do equipamento dos participantes é feita pelos colaboradores:

  3. Após cada atividade o material utilizado é mantido em quarentena durante sete dias para um desinfeção natural. Quando não for possível, serão desinfetados os coletes com sprays desinfetantes, e só reutilizados após 4 dias. Os kayaks, pagaias e bidons estanques são desinfetados após cada atividade com panos molhados e álcool 70% ou solução de lixivia.

  4. Contentores que recebem o material descartável encontram-se nas instalações do embarque e desembarque da descida

PARTICIPANTES

  1. Devem manter a distância social de segurança entre os participantes nas atividades – particularmente daqueles que não fazem parte do mesmo agregado familiar, de acordo com as recomendações da Direção Geral de Saúde.

  2. A distribuição dos lugares no transporte e nas embarcações será preferencialmente feita segundo a pertença á mesma residência ou agregado familiar – utilizadores do mesmo kayak, serão necessariamente membros do mesmo lugar de residência: ou seja, pais e filhos, casais… Outros participantes poderão utilizar embarcações individuais.

  3. Será disponibilizado em suporte online toda a informação sobre o material, protocolo interno de higienização e segurança necessários à atividade.

  4. Os protocolos de segurança e higiene serão reforçados durante os briefings no inicio da atividade. Neste briefings será garantido o uso de mascara e o distanciamento físico de 2m entre participantes.

  5. Os participantes devem utilizar mascara durante o transporte, distribuição de material, briefings e a reentrega de material. Aconselhamos aos participantes a trazerem seu próprio equipamento de proteção individual (máscaras).

  6. Aos participantes que o solicitarem, são disponibilizados kits de proteção individual (máscara e luvas descartáveis), pelo valor indicado no local do evento, sem fins lucrativos e meramente de acordo com os valores praticados no mercado.

  7. Estão disponíveis para uso no local, aos participantes, higienizadores de mãos à base de álcool.

  8. Existe sempre ao serviço um colaborador responsável por acionar os procedimentos em caso de suspeita de infeção (acompanhar a pessoa com sintomas ao espaço de isolamento, prestar-lhe a assistência necessária e contactar o serviço nacional de saúde).

  1. A descontaminação da área de isolamento sempre que haja casos positivos de infeção e reforço da limpeza e desinfeção sempre que haja doentes suspeitos de infeção, principalmente nas superfícies frequentemente manuseadas e mais utilizadas pelo mesmo, conforme indicações da DGS.

  2. O armazenamento dos resíduos produzidos pelos doentes suspeitos de infeção em saco de plástico que, após fechado (ex. com abraçadeira) deve ser segregado e enviado para operador licenciado para a gestão de resíduos hospitalares com risco biológico.